12/2/2020

Iana e Oryx – Primeiro Contato

"Six,

Eu sei, eu sei, mas um dia você vai ter que se acostumar com o cargo. Não dá pra ter todo o poder e nenhuma submissão. Você poderia começar a pensar que é só mais um Zé qualquer de novo, e aí onde é que nós estaríamos?

Eu dei uma olhada nos novos integrantes da Rainbow, como pediu. Iana era um livro aberto – família de engenheiros, se destacou na vida acadêmica depois de dar o fora da Força Aérea por motivos que escaparam ao seu controle. Você tem que ser um profissional e manter a cabeça fria para entrar em órbita, pelo menos em algum tipo de capacidade técnica. Ela é estável, claro, e previsível, mas não significa que suas táticas sejam as mesmas. Gostei do que vi até agora, e mal posso esperar para frustrar as tentativas dela de coletar informações em partidas futuras.

Oryx foi uma história diferente. No sentido de... meio que não existe uma. Eu sei que ele vem altamente recomendado pelo Kaid, que no que diz respeito à Fortaleza ele é o segundo no comando e eu confio na sua decisão. Ainda assim, esses 15 anos em que ele desapareceu dos registros nacionais E internacionais me preocupam. Eu o conheci. Eu gosto dele, ou melhor, do pouco que ele tá disposto a mostrar da sua personalidade. O problema é: ele é um enigma, e eu não gosto de enigmas no meu trabalho. Tenho úlceras só de pensar. Mas, como parte da equipe, prefiro que ele esteja ao meu lado que no dos outros. E não vou mentir – ter a chance de observá-lo mais de perto em ação no campo vai me dar as informações que eu preciso para me tranquilizar.

É o fato de os dois estarem na equipe ao mesmo tempo que me preocupa. De um lado, você tem uma inteligência técnica que é de outro mundo (literalmente), do outro lado, um cara que poderia levantar setenta quilos só com a própria cara. Ele não é idiota e ela não é fraca, eles só são... diametralmente opostos, tanto nas suas experiências de vida quanto nas suas visões de mundo. As únicas coisas que eles têm em comum são a paixão pelo elemento surpresa, pegar as pessoas desprevenidas e ver como elas reagem. Eu jamais imaginaria isso só de olhar pra eles.

Vou perguntar de novo, sem esperar por uma resposta clara... onde você encontra essa gente? Meu treinamento em psicologia é essencialmente identificar patologias, então tiro meu chapéu pro seu conhecimento em construção de equipes. Mas, de novo, é por isso que você é a Six. E é por isso que vou continuar te lembrando disso até o dia de São Nunca.

-- Miles”